quarta-feira, 20 de março de 2013

blogar ou não blogar?

Há dias em que leio um ou outro comentário, ou um ou outro post acerca do assunto ou algum colega me pergunta porque o faço (como hoje ao almoço) e fico, eu própria a perguntar-me: mas porque raio criei este cantinho?

E relembro-me a mim mesma o porquê...

Criei este o blog com dois objectivos.

Primeiro, ser um repositório de pensamentos estúpidos e coisas estúpidas, alegres, tristes, sem interesse nenhum que se passam na minha vida. É como se fosse um botão "rewind" que me transporta àquele sítio, àquele momento, àquele sentimento.


Segundo, queria muito que a M. me conhecesse, tal qual como sou hoje, quando ela crescer. E, se talvez cartas fossem mais giras de ler, o blog permite anexar fotos, músicas e fica tudo guardadinho aqui, arrumadinho (que se eu fosse escrever cartas, ia perdê-las com certeza algures por este mundo e, daqui a 20 anos tinha uma miúda qualquer a bater-me à porta por pensar que tinha descoberto ali a sua mãe verdadeira!).

Não criei o blog com o intuito de ser lido por 453.890 pessoas. Mas é verdade que fico muito contente quando vejo novos comentários e leio palavras de pessoas que me compreendem, ou que têm outra visão. O primeiro blog encerrei-o quando quem sou se tornou público. A "graça da coisa" desapareceu...

Este gostava que se mantivesse assim, quietinho a um canto, sossegadito, sem pessoas conhecidas  ali a cuscuvilhar e a marcarem-me consultas no psicólogo cada vez que digo uma asneirada pior. (Nota, onde se lê "pessoas conhecidas" pode-se ler "sogra" ou "tias chatas" ou "amigas de infância que só te invejam e querem vir ver quando é que és despedida afinal".)

Por enquanto, estou de novo rendida (e viciada, admito) a este mundo. :)
Obrigada a quem está por aí.

1 comentário:

Jovem Atrapalhada disse...

E nós viciados em ler os teus "relatos"!
Que continues por estes lados muito, muito tempo!! <3