quinta-feira, 23 de maio de 2013

Win-Win

(not).

A M. anda numa fase péssima. Desistiu da sopa, não a come nem por nada... Nem a Galinha Pintadinha (essa milagreira) já produz algum efeito!

E eu entendo-a. Juro que entendo. Porque eu (mau hábito ou não) sei o que é ter empatia.
Consigo imaginar-me no lugar dela, a comer sopa ao almoço e ao jantar, invariavelmente, durante quase 12 meses da sua vida. É chato, pois é.

Por isso, desisti eu também da sopa. Lá vou insistindo, mas não tanto quanto (o meu cérebro me diz que) devia.

Então andamos na fase da comida "à séria". Comida de "faca e garfo" ou, neste caso, só garfo. E tem corrido bem... E tem corrido mal, muito mal!

Porque a M. é assim (tinha que sair a mim) e tem esta personalidade bipolar, esquizofrénica, em que um dia é uma pessoa, outro dia, outra. 

E se há dias em que a Miss M. é uma pessoa que come tudo sozinha, pela sua mão (sem sujar o chão de forma a que o mesmo não seja mais perceptível no meio de tanta comida), sem birras, sem babetes a escorrerem de massa com carne, também há dias em que ela não come. Não come e ponto final.

Sim, sim, já tentamos de tudo...

Ser firmes e duros. Não funciona.
Pedir "por favoooor". Não funciona.
Distrai-la. Não funciona.
Chantageá-la. Não funciona.
Deixá-la sem comer. Não funciona.
Abrir-lhe a boca à força e empurrar para lá a comida. Não funciona.
Deixá-la na cama de castigo e tentar de novo. Não funciona.
Dizer-lhe que "esta é a última, JUROOO". Não funciona.

Se ela não quer, não quer.

Há por aí muito boas mães que vão já pensar que o defeito é nosso, meu e do pai. Porque somos muito brandos, porque somos muito duros, porque a chateamos demais, porque não a chateamos o suficiente, porque lhe fazemos as vontades, porque não sabemos "levá-la", porque o castigo não resolve nada, porque o castigo tem que ser mais tempo. Bla bla bla... Estou farta de teorias mirabolantes de outros filhos.

Essas mães não têm a M.
Essas mães não conhecem a M.
Essas mães não saberiam como agir com a M. Como eu não sei, admito.

As crianças são diferentes e estão diferentes, de dia para dia.

E a cada dia tenho que aprender a lidar com ela, naquele dia.

Há uns dias atrás não queria comer a carne. Queria iogurtes.
Não deixámos. Também não comeu a carne.
Foi para o quarto de castigo e voltou. Eu sabia que ela estava cheia de fome, porque já tinham passado há muito as três horas de intervalo entre a última refeição. Não comeu a carne.

O que é que eu fiz? Enganei-me.

Disse-lhe "ok, vou-te dar os iogurtes mas depois comes a carne ou vais de castigo."

Eu já sabia que ela não ia comer a carne. Mas ao menos não foi de castigo de barriga vazia.
E foi. Comeu os iogurtes, não comeu a carne. Foi de castigo e adormeceu...

Eu gosto de acreditar que no cérebrozinho dela, eu venci. Porque afinal cumpri a minha promessa de castigo.

Mas isso é o que EU gosto de acreditar. 

2 comentários:

Vee disse...

A minha filha agora também não quer sopa (ok no outro dia comeu toda mas foi só dessa vez) e eu acho também que ela está farta.
Se ela não comer eu não insisto, acho sinceramente que se ela não está com vontade não tenho de a "obrigar" a comer. Se ela fosse sempre ruim a comer se calhar era mais insistente mas como já notei que é por fases não quero criar nenhuma aversão à hora da comida. Se ela não come é porque não tem fome na altura, come mais tarde, ou lancha mais cedo, no problem!

Mi♥ disse...

Vee, é um pouco o que eu penso... Mas se há dias em que estou assim "boa onda" e deixo-a andar, noutros o pânico instala-se. Tenho medo que possa ficar subnutrida, tenho medo que fique desidratada (apesar de beber bastante água até), tenho medo que fique comproblemas de ossos... Olha sei lá, tudo me passa pela cabeça...
Já dizias tu: "pensas demais". So true. :)