quarta-feira, 3 de julho de 2013

Aching soul

Não quero dar-te um beijo só porque sim.
Não quero a monotonia na nossa vida.
Não quero pensar constantemente em como seria mais fácil se a M. não existisse, porque poderiamos separa-nos por algum tempo, para ver o que dá.
Não quero que fiques magoado.
Mas também não quero que fiques parado.
Que, quando choro sintas "é só mais uma fase, vai passar".

Não quero que tivesses mudado. Que eu tivesse mudado. Que estejamos a reencontrar-nos pela primeira vez e nada mais faz sentido.
Não quero que deixasses de me abraçar quando sou tirana.
Não quero não querer ter-te na minha vida. Mas é só nisso que penso.
Não quero estar contigo só pelas aparências.
Não quero deixar de sentir borboletas no estômago.
Não quero que me sejas indiferente. Que eu te seja indiferente.
Não quero viver nesta constante montanha russa. Onde ora estou triste, ora estou ok.
Não quero estar ok. O que é isso de estar ok?! Porque tenho que me resignar a estar ok!? Eu quero estar bem, feliz, sentir-me valorizada, amada. Quero sentir isso tudo também por ti. Sentir-te bem, feliz, amado.

Será que chegamos a um ponto de não retorno? Será que o amor se esgotou? A ampulheta deixou de verter areia? O relógio parou?

Como é que isto nos aconteceu? Nós que casámos jovens, que vivemos tantas histórias de amor, que enfretámos tantas adversidades juntos, que sobrevivemos a tudo e todos? Como?

Devíamos dar um tempo, fazer uma pausa, redefinir ideias e arejar sotãos velhos.

Procurar por ele, por aquele amor... Que deve estar no fundo de uma qualquer gaveta.


4 comentários:

Julieta disse...

Adorei :)

Jovem Atrapalhada disse...

Exatamente o que eu sinto...

Mi♥ disse...

Será que há solução? :/

Jovem Atrapalhada disse...

Se a encontrar, partilho contigo...
Neste momento em que nem sequer falo com o V. e ele disse algo que foi basicamente "tocar na ferida" cobardemente, já não acredito em nada... :'(